Fechar ou não fechar, eis a questão!

Para a edição de Maio da GracieMagLuca Atalla preparou o que intitulou de um Manifesto contra o fechamento de chaves. No referido texto Luca argumenta que no último Pan Americano…das 10 finais da faixa-preta, apenas sete foram decididas nos tatames […] O motivo? Em três categorias, atletas do mesmo time chegaram na decisão, e optaram por não lutar.

Entre a elaboração do texto e sua chegada às bancas realizou-se o Open de New York e aqui […] não existiu a disputa da final do absoluto da faixa-preta. Ou seja, não tivemos simplesmente a luta mais importante do campeonato.

Tenho lido “os mais antigos” e mais avalizados colegas de Jiu Jitsu dizer que sempre foi assim, que é uma tradição no Jiu Jitsu. Mas opinião contrária tem Romero “Jacaré” Cavalcante, […] As pessoas pensam que isso é uma tradição que sempre existiu, mas quando eu comecei a lutar, isso não acontecia não – Diz o lider da Alliance, que continua afirmando,[…] Cansei de enfrentar o Ricardo Azoury em finais de campeonato, e nós dois éramos alunos do Rolls. E o Maurição, pai do Roger [Gracie] disputava com o Márcio Macarrão. Não tinha mamãezada, o pau comia mesmo, e ninguém deixou de ser amigo por causa disso. Agora, teve uma época em que o professor Helio Gracie pediu para a gente parar de lutar, porque estávamos dando aula para o pessoal de outras academias. Foi quando isso tudo começou […].

O debate não ficou por aqui e a equipa Gracie Barra através de Flávio Almeida emitiu um comunicado a favor do fechamento de chaves. No entanto e na boa tradição democrática da liberdade de opinião Roger Gracie opinou, […] todos sabem que sou a favor de haver luta, sempre.

Já Márcio Feitosa argumenta […] Antes dos campeonatos, todo mundo se reúne e troca informações táticas sobre determinado adversário, e estudamos juntos posições para anular ou vencer determinada pessoa. Será que se, dias depois, estes dois atletas que estão estudando juntos, fossem obrigados a se enfrentar, eles se abririam tanto um com o outro? Se isso não acontecer, pode conter a evolução do Jiu-Jitsu […] Mas se jogarem os dois para o mesmo lado [Michael Langhi Lucas Lepri] é um desrespeito com o histórico do atletas. Porque o Langhi e o Lepri, por exemplo, conquistaram nos tatames o direito de serem cabeças de chave. E se eles não fossem separados, um perderia a chance de ser vice-campeão”, argumentou Márcio.  

Como todos já percebemos também há dinheiro pelo meio. Patrocinios que puderão não chegar, torneios que continuaram com um alcançe local e as marcas como Jiu-Jitsu Pro Gear, Keiko e Koral já instituíram bônus aos patrocinados por desempenho. Com receio para não perderem o espaço de expôr a sua marca. 

Como parte integrante do nosso Mundo Jitsu, também foi dada a palavra a um árbitro da IBJJF (e Professor de 4.ºgrau) Múzio de Angelis que sugere […] A solução é meio radical, mas acabaria de uma vez por todas com o fechamento: as equipes só poderiam inscrever um atleta no absoluto, aquele que fosse considerado o melhor de cada equipe seria o representante na categoria mais importante do Jiu-Jitsu.

Pessoalmente ainda não sei qual a minha opinião sobre o assunto porque reconheço argumentos válidos de ambos os lados da barricada, mas uma coisa é certa, assim o Jiu Jitsu nunca chegará a desporto Olimpico porque vai ser dificil convencer o COI que o Jiu JItsu não é um desporto colectivo mas  individual, e que caso um dia o Jiu-Jitsu passe para as Olimpíadas e um americano da GB que chegue à final contra um brasileiro da GB vai ser normal não ter final. Mas também quem é que disse que o Jiu Jitsu tem de ser desporto Olimpico? 

Resumindo existem sobre o assunto as seguintes correntes de opinião:

1. Os que defendem a ideia do manifesto, ou seja que os atletas da mesma academia, caso cheguem na semi-final ou na final se enfrentem. 

2. Os que são contra, argumentando que o fechamento é cultural, e um atleta tem o direito, pelo que já fez, de ser cabeça de chave; 

3. Os que defendem que cada academia só deveria poder colocar um atleta por categoria (alguns sugerem no absoluto, outros em todas as categorias); 

4. Os que acham que é questão de sensibilização e não de regras ou sistema. 

5. Os que acham que para ter luta deveria existir prémio monetário (apesar de diversas lutas no ADCC mostrarem que o dinheiro não impede a luta combinada); 

6. A ideia de instituir a disputa pelo terceiro lugar, que garantiria uma disputa final ao menos (ou a final, ou a pelo terceiro lugar). 

A procissão ainda vai no adro. Mas se eu tivesse de fazer apostas… apostava que o fecho de chaves começou lentamente a morrer em Maio de 2009

Anúncios
por Zack

Cavaleiros do Jiu Jitsu

bonde do JJ_blog

As nuvens agrupam-se no horizonte, compactas, cinzentas. Os pássaros calam-se e as flores murcham. Não, não é o fim do mundo, não, não sofremos um ataque atómico…

Somos nós… A equipa do Sérgio Vita, estamos a apertar a faixa, a aquecer as articulações, a cerrar os dentes. Lamento caros adversários, eu sei que é injusto, mas iremos participar nas competições que se avizinham, e quais Cavaleiros do Apocalipse não está nos nossos planos facilitar as coisas.

Quando entramos, ENTRAMOS PARA GANHAR!!!

(Foto cortesia de Anderson Fetter)

por Zack

Treino! Treino! Treino!

Ontem estive todo o dia esparramado no sofá, doia-me o corpo todo e 5 minutos antes de sair para o treino o termómetro marcava 37.9 graus de febre. Apesar de tudo resolvi ir treinar e em boa hora o fiz.

A aula foi um seguimento do treino anterior, dedicado a quedas. Fiz os exercicios com o Bruiser, Vitório, Tic-Tac e Serguei o Urso Siberiano. No rola… No rola Tiagão o Quebra Nozes chamou-me de imediato dizendo “- Com que então sou um lutador lento né?” A frase não podia ser um bom pronuncio.

Eléctrico como uma carocha, Tiagão pulou, deu cambalhotas e fez 45 truques ninja enquanto me finalizava das mais variadíssimas maneiras. Ficou prometida para breve uma foto do próprio para animar um pouco o Black Java, bem como um baixo-assinado para que o Ninja se vá e volte o Tiagão da rola pensada, ponderada e generosa.

Neste final de semana realizou-se o World Pro Jiu-Jitsu Championship em Abu Dhabi e os resultados não poderiam ser mais surpreendentes…

Ruben Charles “Cobrinha” batido por Guilherme Mendes.

Braulio Estima batido por Tarsis Humpfreys na final do Absoluto, depois de na categoria ter sido batido pelo faixa castanha Rodolfo Vieira.

Isto só prova que o treino é tudo!!!

por Zack